E-mails da Odebrecht complicam Lula no caso do sítio de Atibaia

O empresário Marcelo Odebrecht detalhou à Justiça Federal, em Curitiba, os e-mails e mensagens que “complicaram” Lula nos supostos acertos de propinas com a Odebrecht, registrados na planilha “Italiano”, de R$ 200 milhões, nas obras de reforma no sítio de Atibaia (SP).

“O que complicou muito a vida de seu cliente (Lula) não foram os meus relatos, foram meus e-mails”, afirmou Odebrecht, ao ser questionado pelo defensor de Lula, o advogado Cristiano Zanin Martins, durante interrogatório no processo do sítio.

Um dos fatos seriam relacionados a dois momentos que Emílio Odebrecht teria falado com Lula em 2010, ano em que o sítio de Atibaia (SP) foi comprado por amigos dos filhos do ex-presidente e reformado por empreiteiras do cartel.

O empresário disse que os valores foram debitados da conta de R$ 200 milhões, registrada na planilha “Italiano”, gerenciada por Antonio Paloccique também virou delator.

Odebrecht diz que os e-mails são registros de que Lula sabia da conta Italiano. “Uma das maneiras que consegui de evidência que Lula conhecia a conta corrente com Palocci (nunca conversei com Lula sobre isso) foi a anotação em que cheguei a meu pai em 2010 e disse assim: meu pai, é bom você avisar a Lula que já acertei 200 milhões com Palocci, sendo 100 milhões já pagos e 100 milhões de saldo.”

Compartilhe: