Ministro diz que Bolsa Família era usado como chantagem de 4 em 4 anos

O governo Bolsonaro mostra sua linha de trabalho e ela inclui uma mudança no Bolsa Família.

O ministro da Cidadania, Osmar Terra, usou a primeira entrevista depois de assumir o cargo para falar sobre o programa.

Sem citar o PT, reclamou que de “quatro em quatro anos o eleitor de baixa renda ouvia que, se não votasse em determinado partido, o programa seria extinto”.

Ressaltou que nada disto ocorreu na gestão Michel Temer. Por fim, afirmou que políticas públicas devem ser feitas para libertar o cidadão, não para usar como chantagem.

Porta de saída

“Pelo menos um jovem por família deve ter oportunidade de fazer curso técnico ou receber microcrédito.”

O contexto da resposta do ministro sugere um nível alto na vontade de mudar o programa.

A resposta ocorreu quando Osmar Terra foi questionado sobre a prioridade de trabalho no Ministério da Cidadania.

Críticos do programa reclamavam que o Bolsa Família tornava os beneficiários dependentes.

O ministro se limitou a dizer que, em cada família que recebe o Bolsa Família, deve haver ao menos um jovem cumprindo um dos requisitos citados: fazer um curso técnico ou receber microcrédito para empreender.

Fraudes

Osmar Terra acredita que pode fazer caixa combatendo fraudes dentro do próprio Bolsa Família.

Ministro do Desenvolvimento Social no governo Michel Temer (MDB) a partir de 2016, ele iniciou uma revisão nos cadastros. E

ram 15 milhões de pessoas recebendo dinheiro do programa e havia irregularidades em um terço dos pagamentos.

 

Compartilhe: