Nos últimos seis meses, Lava Jato “anda lentamente” no STF

A Operação Lava Jato caminha a passos lentos no Supremo Tribunal Federal.

Um balanço divulgado nesta semana pelo relator da Lava Jato, ministro Edson Fachin, aponta que a investigação que apura desvios bilionários na Petrobrás não teve avanços significativos nos últimos seis meses.

De dezembro até agora, a PGR apresentou apenas uma nova denúncia no STF, nenhum acordo de colaboração premiada foi homologado e nenhum político foi condenado na operação.

Até hoje, o único político condenado pelo Supremo na Lava Jato é o ex-deputado federal Nelson Meurer (PP-PR), setenciado por corrupção passiva e lavagem de dinheiro. Meurer segue em liberdade.

Nos últimos seis meses, a Procuradoria apresentou apenas uma denúncia na Corte no âmbito da operação – contra o senador Fernando Collor, por peculato.

Desde 2018, apenas um acordo da Lava Jato acertado pela equipe da procuradora-geral da República, Raquel Dodge, foi homologado pelo Supremo – o do lobista Jorge Luz, que implica o senador Renan Calheiros (MDB-AL).

Para o professor de direito constitucional Paulo Blair, da Universidade de Brasília (UnB), a Lava Jato anda no Supremo na velocidade possível, considerando as atribuições da Corte.

 

fonte: O Estado

Compartilhe: