Troca de mensagens não anula provas dos condenados do PT

A troca de mensagens atribuídas ao então juiz Sérgio Moro e procuradores, agora envolvendo ministro do STF  Luiz Fux, não alteram o que determinou a condenação do ex-presidente Lula,  José Dirceu e Antonio Palocci e outros  fisgados pela Lava Jato: as abundantes provas materiais e testemunhais, incluindo a confissão de corruptores e corrompidos.

A troca de mensagens não anula os R$56 milhões auferidos por Lula em um ano de “palestras”, nem seu saldo bancário de R$10 milhões.

A troca de mensagens não faz sumir as provas mostrando que Lula recebeu o tríplex do Guarujá e obras no sítio em Atibaia como propina.

A troca de mensagens não desfaz o “pacto de sangue” entre Lula e Emílio Odebrecht, em troca de R$350 milhões, revelado por Palocci.

A troca de mensagens apenas alimenta o que o ministro do STF Luís Roberto Barroso chamou de “euforia dos corruptos”.

A informação é da Coluna Cláudio Humberto, do Diário do Poder.

Compartilhe: