R$ 400 milhões. É o preço da antipatia da Globo com Bolsonaro

Ao falar com a imprensa nesta segunda-feira, o presidente Jair Bolsonaro rebateu repórter de uma afiliada da Rede Globo

“Essa Globo é uma merda de imprensa. Vocês são uma porcaria de imprensa”.  Vocês destroem a família brasileira, destroem a religião brasileira. Vocês não prestam”, disse.

A explicação da má vontade da emissora, é que a Globo teve a participação reduzida de 39% para 16%, no faturamento de publicidade governamental,  queda de quase 60% na comparação entre 2018 (sob a gestão de Michel Temer) e 2019 (ano do primeiro mandato de Jair Bolsonaro).

Já na sabatina do Jornal Nacional no dia 28 de agosto de 2018, durante a campanha presidencial, o então candidato Jair Bolsonaro fez uma acusação contra a empresa de comunicação da família Marinho.

“Você vive em grande parte, aqui, com recursos da União. São bilhões que o Sistema Globo recebe de recursos da propaganda oficial do governo”, disse.

Ainda durante a corrida ao Palácio do Planalto, Bolsonaro avisou algumas vezes que, se fosse eleito, reduziria a verba governamental aos veículos do Grupo Globo.

Durante a presidência de Lula (2003-2011), Dilma (2011-2016) e Temer (2016-2019), a Globo recebeu anualmente entre R$ 400 milhões e R$ 500 milhões de publicidade federal.

Com a redução de verba imposta por Bolsonaro à emissora no primeiro ano de mandato e  em 2020, fontes do mercado publicitário projetam que a Globo deixou de ganhar cerca de R$ 400 milhões.

Compartilhe: